Eu perdi

Será?

    Sexta feira, 28 de abril, vigésimo oitavo dia do BEDA.

    Saí com meus amigos. O plano principal era me divertir e interagir com eles fora da escola. O outro plano? Conhecer melhor o crush, que já sabia que era meu crush. Era. Isso mesmo.

    A gente se divertiu pra caramba, foi um dia maravilhoso e que eu pretendo guardar em minhas memórias com todo o carinho do mundo. Ficamos mais de uma hora para pedir as pizzas, e os garçons ficaram nos olhando feio. Éramos um bando de adolescentes agindo como se estivessem na escola numa pizzaria super chique num bairro super rico. Foi demais.

    Quando pedimos as pizzas e aquele garçom mais velhinho apareceu, todos os outros garçons deixaram de carranca e brincaram com a gente. Tava tudo muito legal no início, embora meio sei lá. Eu sentei do lado do meu crush, e realmente não tava rolando aquela conexão. Desanimei? Claro que não. Ele era tímido, vamos investir, né?

    E eu investi. Talvez demais? Talvez, mas tudo bem. O fato é que nós dois tínhamos (ou pelo menos eu acho que os dois tinham) plena consciência de que aquilo não seria só uma saída de amigos, e que eu o tinha chamado ali pra gente se conhecer melhor e ver se rolava alguma coisa. Até que ele se levantou e foi sentar na outra ponta da mesa. Se eu fiquei bad? Cada K é uma lágrima.

    Mas o dia - mas a noite - não foi perdido, não. Eu pulei pra cadeira dele e comecei a conversar com meus amigos mais próximos, e aquele amigo da minha amiga que tinha acabado de conhecer. Se rolou? Mas oras, parece que sim.

    Eu sempre fui super exagerada, e aquele garoto, assim como os meus outros amigos sentadinhos em volta de mim, encaixou perfeitamente nas minhas expectativas. Dividimos meu batom, concordamos que a pizza doce era uma das melhores e com certeza shippamos o mesmo casal - e eu shippo, mesmo sem conhecer a outra metade do casal. Poucas coisas, mas quando rola a conexão, é a conexão, né, gente?

    Então eu fui. Eu perdi o BEDA, eu perdi um crush. Mas ganhei um amigo, e, quem sabe, algo mais.

    No fim, valeu a pena.

digital druglord

Do rei da bad, Blackbear

    Conheci o Blackbear de uma maneira muito inusitada, quando uma garota recomendou essa música para a playlist de uma história que eu estava escrevendo. Ouvi e, de primeira, não gostei. Demorei muito, até que, por algum motivo, ela veio parar aos meus ouvidos outra vez e eu me apaixonei.

    Apesar da minha paixão eterna por essa música, ela não está no álbum que trouxe hoje. Este eu acabei encontrando na minha aba de sugestões do Spotify, e comecei a ouvir sem sequer saber que era Blackbear. Só posso confirmar uma coisa depois desse álbum: Blackbear é o rei da bad.

    Mas são músicas da bad muito boas, e achei esse álbum muito divoso. Ainda não ouvi o que contém a música pela qual me apaixonei, mas pretendo, e aí venho trazer pra vocês aqui.

Quero yoga, quero budismo

    Depois da tarde que passei em conexão com a natureza, voltei a ter essa ideia de querer ficar mais em contato com as energias de tudo. Então, minha professora de história (que estuda com mais afinco a história das religiões) nos falou um pouco sobre o budismo e o yoga, e eu me apaixonei.

    Decidi que ia começar e ponto. Então tô correndo atrás, mas achar conteúdo gostosinho na Internet tá sendo uó. Encontrei o canal da Camile Carvalho, que me ajudou a entender mais sobre o yoga com esse vídeo aqui.

    Também pesquisei um pouco e decidi começar a usar o Daily Yoga, um appzinho de yoga, já que eu não tenho dinheiro (nem tempo) pra ter aulas presenciais.
Hoje foi meu primeiro dia de prática, e foi uma coisa muito maravilhosa. Mesmo que por alguns segundos somente, consegui me desconectar de tudo (até aquele maldito mosquito aparecer, mas a gente releva, né). A tensão que sentia em minhas costas se esvaiu um pouco, e cada segundo durante a prática foi libertador.

    Fiz apenas alguns minutos da primeira aula, e o que mais gostei foi como consegui sentir meu corpo, principalmente minha coluna, e de como, ao fazer as poses, minha mente ficava vazia, focada apenas em fazer aquilo.

    Pretendo fazer todos os dias e evoluir para, quem sabe, começar aulas presenciais. Fazer yoga já era um plano meu há muito tempo, mas eu sempre jogava de lado. Agora resolvi botar em prática, e vamo que vamo.

    E também, com as palavras de minha professora, acabei me interessando pelo budismo. Confesso que, agora, mal me lembro das coisas que ela falou, mas só pelo fato de terem me interessado, pretendo pesquisar mais.

    Cês por acaso conhecem algum blog ou canal que fale sobre budismo ou yoga? Ajudem a tia a correr atrás do sonho e comentem aqui as fontes de vocês ;)
What Time? © , All Rights Reserved. BLOG DESIGN BY Sadaf F K.